quarta-feira, abril 17, 2024
25.3 C
Manaus
InícioExplicandoEntenda a suspensão da isenção fiscal para líderes religiosos

Entenda a suspensão da isenção fiscal para líderes religiosos

Publicado em

Publicidade

A isenção tributária sobre os salários de líderes religiosos, como pastores e ministros, foi revogada pela Receita Federal em um ato declaratório publicado no Diário Oficial da União na quarta-feira (17). A decisão reverte uma medida da gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que também isentava as igrejas de dívidas milionárias.

A atual decisão de suspensão foi tomada pelo secretário da Receita, Robinson Barreirinhas, indicado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad. A Receita Federal afirma que a reversão da isenção foi motivada pela determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), que considerou a medida atípica por não ter sido analisada pela Subsecretaria de Tributação da Receita.

Fachada Tribunal de Contas da União (TCU)
Foto: Divulgação Tribunal de Contas da União (TCU)

Em nota, o TCU esclareceu que ainda não determinou a suspensão da isenção e que o processo está sob análise do ministro Aroldo Cedraz, sem decisão final.

Críticas à isenção de contribuições

Na época em que a ampliação da isenção de contribuições previdenciárias sobre a remuneração de líderes religiosos foi publicada, técnicos da Receita criticaram a medida apontando que as prebendas, remunerações pagas a líderes religiosos, funcionariam como um mecanismo para evitar o recolhimento de contribuições previdenciárias e Imposto de Renda pelas denominações religiosas. A medida foi publicada às vésperas da eleição de 2022 como forma do ex-presidente consolidar o apoio do segmento para se reeleger.

Impactos da suspensão

O impacto da suspensão é significativo para as igrejas e pastores, uma vez que agora as instituições religiosas serão obrigadas a recolher contribuições previdenciárias sobre a remuneração de seus líderes. Além disso, a medida pode abrir espaço para a Receita Federal cobrar dívidas previdenciárias milionárias de igrejas que não cumpriram com a legislação. A medida foi publicamente contestada pela Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional.

Silas Câmara - deputado federal
Silas Câmara, presidente da Frente Parlamentar Evangélica na Câmara dos Deputados.

Perda aos cofres públicos

Segundo o jornal O Globo, o relatório sigiloso do TCU aponta que a isenção à remuneração de pastores e líderes religiosos já gerou uma perda de arrecadação de R$ 300 milhões por ano à União. O documento destaca que a Receita Federal calculou a cifra levando em conta valores com “exigibilidade suspensa” ou “parcelada” entre os anos de 2017 e 2023. Enquanto os processos tramitam, as cobranças estão suspensas.

Leia mais:
Arthur Lira pede escolta da PF para Amom Mandel
Huawei promove tecnologia para inclusão digital e preservação no Amazonas
Número de jovens que não estuda e nem trabalha é o menor desde 2012

Siga nosso perfil no Instagram e curta nossa página no Facebook

Últimas Notícias

Irã X Israel: entenda o contexto do conflito

No último sábado (13), implodiu no Oriente Médio mais um conflito entre os países...

Senado aprova PEC de criminalização do porte de drogas

O Senado Federal aprovou, nesta terça-feira (16), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC)...

Ingressos da estreia do Amazonas FC na Série B já estão à venda

A venda de ingressos para a estreia do Amazonas FC na Série B do...

TRE-AM rejeita pedido de cassação de Wilson Lima feito por Braga

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) rejeitou, por unanimidade, o pedido do senador...

Mais como este

Irã X Israel: entenda o contexto do conflito

No último sábado (13), implodiu no Oriente Médio mais um conflito entre os países...

Senado aprova PEC de criminalização do porte de drogas

O Senado Federal aprovou, nesta terça-feira (16), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC)...

Ingressos da estreia do Amazonas FC na Série B já estão à venda

A venda de ingressos para a estreia do Amazonas FC na Série B do...