quarta-feira, maio 29, 2024
25.3 C
Manaus
InícioPoderReconstrução das pontes caídas da BR-319 vai levar um ano

Reconstrução das pontes caídas da BR-319 vai levar um ano

Publicado em

Publicidade

Tempo de obra prevista pelo Ministério dos Transportes preocupa parlamentares e prefeitos dos cinco municípios afetados

O Ministério dos Transportes abriu dispensa de licitação para reconstruir as duas pontes dos rios Curuçá e Autaz-mirim, que fazem ligação à BR-319, que desabaram no final do ano passado. Os contratos emergenciais visam a demolição das estruturas, remoção do entulho e construção de novas obras.

O problema é que o prazo estabelecido pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) é de um ano a contar da instalação do estado de emergência, que ocorreu em outubro de 2022.

Dessa forma, as cerca de 180 mil famílias continuarão sendo prejudicadas com o abastecimento de combustível e mercadorias, transportes de doentes por ambulâncias.

As informações foram dadas aos prefeitos dos municípios de Autazes, Careiro, Careiro da Várzea, Manaquiri e Nova Olinda do Norte, na reunião da bancada ocorrida nesta terça-feira (7) em Brasília.

Os detalhes dos contratos para as obras emergenciais, na região da BR-319 afetada, foram repassados pelo senador Eduardo Braga (MDB-AM). Ele esteve com o ministro dos transportes, Renan Filho – que é do mesmo partido – do qual recebeu as informações.

De acordo com o Dnit, As novas obras têm prazo e os técnicos do departamento já estão em contato com a empresa que vai construir tanto a ponte do rio Curuçá, que custará em torno de R$ 24,8 milhões, quanto a do rio Autaz-mirim, cuja reconstrução ficará em R$ 18,9 milhões.

O senador Eduardo Braga havia conversado com o ministro dos transportes, Renan Filho, sobre as duas pontes, já tem uma dispensa de licitação para poder construir, através do Dnit.

“Estamos em época de chuva e a maior preocupação é durante a seca (em agosto) para atravessar, mas o rio está enchendo, e a gente espera que ocorra o mais rápido possível [a construção das pontes). Isso está encaminhado”, comentou o coordenador da bancada, senador Omar Aziz.

O senador-coordenador manifesta preocupação, com as ações do Dnit, porque até agora não tem projeto executivo, logo, não dá para encaminhar qualquer projeto e estabelecer um prazo de execução dessas obras.

“Isso está claro para mim. E foi o questionamento que eu fiz. Se não tem nenhum projeto executivo, como vai fazer as pontes de Autaz-mirim e do Curuçá visto que as duas têm que ser demolidas, haver remoção do entulho e começar a obra? Vai demandar tempo”, observou Omar Aziz.

Ponte provisória

O presidente da Associação Amazonense de Municípios, Anderson Sousa, autor do pedido de reunião da bancada para tratar do assunto, sugeriu que, enquanto os contratos e ações emergenciais estão ocorrendo, o governo federal poderia construir duas pontes provisórias de ferro reforçado para ajudar no transporte de alimentos, frutas e verduras para o abastecimento do Estado.

“A nossa maior preocupação é quando a seca chegar no mês de agosto. Pelo tempo previsto pelo Dnit, essas duas obras vão levar cerca de um ano e esses municípios não podem ficar à mercê dessa de toda essa situação”, declarou Anderson Sousa.

Recursos para saúde

De acordo com o senador Omar Aziz, os prefeitos amazonenses também discutiram com a bancada saída para buscar recursos para a saúde. A AAM pleiteia R$ 50 milhões para a atenção básica nos municípios amazonenses.

“Vieram discutir recursos para a saúde e, na medida do possível, estamos aqui para colaborar. Eles trouxeram essa demanda porque, historicamente, os parlamentares repassam recursos para a saúde, mas estamos vivendo um momento diferente, pois, não haverá mais aqueles recursos que tivemos na época da pandemia”, alertou Omar Aziz.

Municipalização dos hospitais

Outro ponto levantado pelos gestores foi a municipalização dos hospitais. Na avaliação do coordenador da bancada, os prefeitos têm que discutir essa situação com o governador Wilson Lima e pedir que essa função seja devolver ao Estado.

“Na minha avaliação, quem tem que arcar com a alta e média complexidade da saúde é o Governo do Estado, pois, os prefeitos não têm condições financeiras para essa tarefa”, ressaltou Aziz.

Com informações do BNC*

Leia mais:
Erosão: Em dois anos, Prefeitura entrega dez grandes obras
Governo federal vai retomar obras de 37 mil unidades do Minha Casa, Minha Vida
Pavimentação de ramal Santa Maria beneficia mais de 600 famílias

Últimas Notícias

Prefeitura convoca quatro profissionais aprovados em concurso

Visando suprir as necessidades permanentes de serviço e assegurar a prestação da assistência básica...

Prontos-socorros de Manaus funcionarão normalmente durante o feriado

A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) anunciou que as 25 unidades...

Entenda por que Lula retirou o embaixador brasileiro de Israel

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva transferiu o embaixador Frederico Meyer de Israel...

MPF dá 15 dias para Starlink explicar antenas em áreas de garimpo no AM

Um inquérito civil foi aberto pelo Ministério Público Federal (MPF) e publicado nesta terça-feira...

Mais como este

Prefeitura convoca quatro profissionais aprovados em concurso

Visando suprir as necessidades permanentes de serviço e assegurar a prestação da assistência básica...

Prontos-socorros de Manaus funcionarão normalmente durante o feriado

A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) anunciou que as 25 unidades...

Entenda por que Lula retirou o embaixador brasileiro de Israel

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva transferiu o embaixador Frederico Meyer de Israel...