domingo, março 3, 2024
26.3 C
Manaus
InícioGeralSaúdeMinistério da Saúde anuncia calendário de repasses para piso da enfermagem

Ministério da Saúde anuncia calendário de repasses para piso da enfermagem

Publicado em

Publicidade

Nesta quarta-feira (9), o Ministério da Saúde divulgou um calendário de repasses que prevê o primeiro pagamento complementar aos estados e municípios para a implementação do piso nacional da enfermagem até o dia 21 deste mês.

A programação de repasses foi acordada em conjunto com estados, municípios e o Distrito Federal.

Profissionais de saúde, abrangendo esferas federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal, receberão nove parcelas ao longo de 2023. Esses pagamentos abrangerão valores retroativos a partir de maio, incluindo também o 13º salário. Para viabilizar o pagamento do piso, o governo federal destinou um montante de R$ 7,3 bilhões.

No início de agosto, os servidores federais que fazem parte da categoria de enfermagem já receberam os complementos salariais referentes aos meses de maio e junho, bem como a parcela de julho. A pasta ministerial afirmou que as parcelas restantes serão distribuídas até dezembro, incluindo o 13º salário.

O Ministério da Saúde esclareceu que, conforme orientação da Advocacia-Geral da União (AGU), o cálculo do piso será baseado no vencimento básico e em gratificações gerais, fixas e permanentes, excluindo aquelas de natureza pessoal.

Histórico

Em maio, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou o pagamento do piso nacional da enfermagem após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionar um crédito especial de R$ 7,3 bilhões destinado a esse propósito.

Anteriormente, o novo piso nacional, estabelecido pela Lei nº 14.434, estava suspenso desde setembro de 2022 por determinação do próprio Barroso. Essa suspensão foi mantida até que instituições públicas e privadas ligadas à área de saúde pudessem esclarecer o impacto financeiro da medida. Segundo os estados, o impacto nas finanças locais seria de R$ 10,5 bilhões, e não havia recursos disponíveis para cobrir essa despesa extra.

Na recente decisão do ministro Barroso, ficou estabelecido que a aplicação do piso nacional é obrigatória para estados, o Distrito Federal, municípios e entidades privadas que atendem no mínimo 60% de seus pacientes pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, essa obrigatoriedade está condicionada aos recursos recebidos por meio da assistência financeira da União para esse propósito.

Leia mais:
Mutirão para renegociar dívidas termina HOJE
Câmara aprova lei de cotas que inclui quilombolas e pós-graduação
Ranking: como os parlamentares do AM se classificaram entre políticos do Brasil

Siga nosso perfil no Instagram e curta nossa página no Facebook

Últimas Notícias

“Dia D”: prefeitura de Manaus promove combate a dengue

A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), promoveu na manhã...

Paratleta do halterofilismo garante prata no mundial

Maria de Fátima, paratleta de halterofilismo, segue em busca da vaga nas Paraolimpíadas de...

Confira os shows da Casa Zezinho Corrêa nos dias 2 e 3

A Casa de Praia Zezinho Corrêa, vai receber, neste fim de semana, seis shows...

Entenda a diferença entre os sintomas de dengue e covid-19

Em meio a uma explosão de casos de dengue e o aumento de infecções...

Mais como este

“Dia D”: prefeitura de Manaus promove combate a dengue

A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), promoveu na manhã...

Paratleta do halterofilismo garante prata no mundial

Maria de Fátima, paratleta de halterofilismo, segue em busca da vaga nas Paraolimpíadas de...

Confira os shows da Casa Zezinho Corrêa nos dias 2 e 3

A Casa de Praia Zezinho Corrêa, vai receber, neste fim de semana, seis shows...