domingo, março 3, 2024
25.3 C
Manaus
InícioGeralSociedadeCNJ aprova resolução contra discriminação em pedidos de adoção

CNJ aprova resolução contra discriminação em pedidos de adoção

Publicado em

Publicidade

Na última terça-feira (14), membros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovaram uma nova regra que proíbe juízes e desembargadores de recusarem pedidos de adoção ou tutela de crianças e adolescentes com base na orientação sexual ou identidade de gênero dos requerentes.

Mudanças no processo de adoção

A resolução, proposta pelo conselheiro Richard Pae Kim, entrará em vigor assim que for publicada e se aplica a todos os candidatos, independentemente de sua orientação sexual ou identidade de gênero, incluindo casais homoafetivos, transgêneros e pessoas solteiras que desejam formar famílias monoparentais.

A medida foi elaborada com o objetivo de assegurar a igualdade de direitos e combater qualquer forma de discriminação nos processos de adoção e tutela. O texto proposto instrui os tribunais de justiça e magistrados a evitarem fundamentar suas decisões contrárias aos pedidos com base exclusiva na orientação sexual dos candidatos, promovendo assim um ambiente mais inclusivo e respeitoso.

A resolução atende a uma proposta anterior do senador Fabiano Contarato (PT-ES), que, em agosto deste ano, obteve apoio unânime do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para proibir manifestações contrárias à adoção com base na orientação sexual dos candidatos por parte dos membros do Ministério Público.

O que dizem as autoridades

O senador Fabiano Contarato, ao comentar sobre a iniciativa, destacou sua experiência pessoal durante o processo de adoção de seu primeiro filho, onde um membro do Ministério Público expressou objeções com base na estrutura familiar. Ele ressaltou que a decisão do CNJ e do CNMP está alinhada com o mandamento constitucional de promover o bem-estar de todos e abolir qualquer forma de discriminação.

O conselheiro Richard Pae Kim, que defendeu a resolução, afirmou que sua aprovação representa um passo importante no combate à discriminação nas atividades do Poder Judiciário: “Penso que a aprovação desta resolução importará em importante passo para acrisolar [melhorar] qualquer forma de [combate à] discriminação das atividades do Poder Judiciário nesta tão importante missão que é a de garantir direitos fundamentais à formação da família”.

Ao anunciar a aprovação da proposta, o presidente do CNJ, ministro Luís Roberto Barroso, que também preside o Supremo Tribunal Federal (STF), garantiu que o Poder Judiciário “tem uma firme posição contra todo tipo de discriminação, inclusive em relação a pessoas homoafetivas.”

Leia mais:
No AM, 60% da população vê adoção como alternativa
TCE-AM condena gestor da Câmara de Presidente Figueiredo a devolver R$ 172,2 mil
Municípios do interior do AM terão vias recuperadas

*Com informações da Agência Brasil

Siga nosso perfil no Instagram e curta nossa página no Facebook

Últimas Notícias

“Dia D”: prefeitura de Manaus promove combate a dengue

A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), promoveu na manhã...

Paratleta do halterofilismo garante prata no mundial

Maria de Fátima, paratleta de halterofilismo, segue em busca da vaga nas Paraolimpíadas de...

Confira os shows da Casa Zezinho Corrêa nos dias 2 e 3

A Casa de Praia Zezinho Corrêa, vai receber, neste fim de semana, seis shows...

Entenda a diferença entre os sintomas de dengue e covid-19

Em meio a uma explosão de casos de dengue e o aumento de infecções...

Mais como este

“Dia D”: prefeitura de Manaus promove combate a dengue

A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), promoveu na manhã...

Paratleta do halterofilismo garante prata no mundial

Maria de Fátima, paratleta de halterofilismo, segue em busca da vaga nas Paraolimpíadas de...

Confira os shows da Casa Zezinho Corrêa nos dias 2 e 3

A Casa de Praia Zezinho Corrêa, vai receber, neste fim de semana, seis shows...